Caatinga está sendo destruída mais rápido do que a Amazônia

Caatinga- Foto: José Leomar

O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse hoje (29), no lançamento do Mapa das Unidades da Caatinga em Terras Indígenas, que o bioma é um dos mais ameaçados, menos estudados e menos protegidos do país.
Na ocasião, foi assinado um plano de ação entre o Ministério do Meio Ambiente, a Fundação Chico Mendes e a organização não-governamental The Nature Conservancy (TNC) para promover a criação e a consolidação de unidades de conservação na caatinga, a seleção de áreas prioritárias à conservação desse bioma e a elaboração da lista de regiões onde serão feitos estudos até dezembro de 2010.
“O mundo inteiro se preocupa com a Amazônia, nós também nos preocupamos com a Amazônia, mas a caatinga e o cerrado têm pouca proteção. A caatinga está sendo destruída num ritmo mais acelerado que a Amazônia. Eu não quero que daqui a alguns anos o que restou de caatinga vire deserto”, afirmou Minc, referindo-se ao dado de que 62% das áreas com tendência à desertificação estão em zonas originalmente ocupadas pela caatinga.
O ecossistema, exclusivamente brasileiro, ocupa 11% (844.453 quilômetros quadrados) do território nacional, abrangendo parte dos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia e o norte de Minas Gerais. Esse bioma é responsável por grande riqueza de ambientes e espécies, com 932 tipos de plantas, 148 mamíferos e 510 aves.
Com apenas 1% de seu território protegido por unidades de conservação de proteção integral, "a Caatinga necessita de medidas práticas, que potencializem o conhecimento acumulado sobre o bioma em prol de sua conservação", ressaltou Minc.
O ministro salientou que essas medidas se traduzem na criação de mais unidades de conservação, na implantação das UC já criadas e a utilização eficiente dos recursos da compensação ambiental.
Para tanto, o ministro reforçou que há 1,8 mil hectares em estudo para a criação de novas UCs e que, no início de novembro, será lançado um edital para a elaboração de 40 planos de manejo, além da assinatura de convênio com a Caixa Econômica Federal para a administração dos recursos da compensação ambiental.
O mapeamento das unidades de proteção mostrou que, atualmente, 7% da área estão protegidos, mas apenas 1% está em unidades de proteção e reservas indígenas. Os demais 6% fazem parte das Áreas de Proteção Ambiental (APAs), que não são consideradas de proteção efetiva.
O grande impacto da caatinga no meio ambiente decorre da extração de lenha para uso doméstico, para a produção de cerâmica e em siderúrgicas na Região Sudeste, mas é possível fazer o uso sem destruir o bioma, destaca a representante da TNC no Brasil, Ana Cristina de Barros.
“Publicações mostram que se pode extrair lenha da caatinga sem destruí-la, basta que se tenha uma taxa baixa de exploração da madeira para dar tempo à caatinga de crescer novamente. Isto chama-se sustentabilidade. Você tira um pouquinho e a natureza repõe”, afirma Ana Cristina.
Exclusivamente brasileiro, a Caatinga ocupa 10% do território nacional, sendo considerado o bioma semi-árido mais rico do mundo em biodiversidade. 7% de sua área é protegida - sendo 6% área de proteção ambiental e 1% área de proteção integral.
(Fonte: Agência Brasil)

Comentários

  1. HOMEMBOM MAGALHÃES30 de outubro de 2008 10:25

    (Poema sobre a Caatinga)
    A CAATINGA COLONIZADA

    A CAATINGA QUE NO NORDESTE CRESCEU
    ATÉ A COLONIZAÇÃO VIVIA SEU APOGEU
    NO PERÍODO DO IMPÉRIO VEIO UMA SECA FATAL
    PEDINDO QUE OS EUROPEUS VOLTASSEM PRA PORTUGAL

    ELA ESTAVA MUITO BEM COM O ECOSISTEMA NATURAL
    SEUS HABITANTES ENTENDIAM DO MANEJO ORIGINAL
    UTILIZAVAM O NECESSÁRIO NA ALIMENTAÇÃO NORMAL
    COM SINAIS DE ENDEMISMO VÊ A EXTINÇÃO TOTAL

    CHEGANDO O SÉCULO XX A INDÚSTRIA AVANÇOU
    COMEÇOU O RESULTADO DO QUE O HOMEM CRIOU
    A AROEIRA VIROU DORMENTE PARA OS TRILHOS IMPLANTAR
    DIZIMANDO UMA ESPÉCIE DIFÍCIL DE RECUPERAR

    E POR AÍ CONTINUA ATÉ A GLOBALIZAÇÃO
    O NORDESTE DO BRASIL ENTRA NA EQUAÇÃO
    A ASA BRANCA BATE ASAS NÃO VÊ OUTRA SALVAÇÃO
    A MISÉRIA TOMA CONTA COM A URBANIZAÇÃO

    NO SÉCULO XXI ESTÁ O BIOMA DESPROTEGIDO
    OS PREDADORES EM ALTA E O SOLO DEPRIMIDO
    FAUNA E FLORA PERDEM ESPAÇO OU TÊM DESAPARECIDO
    AO HOMEM SEM ESTAS ESPÉCIES SÓ RESTA SER DESPEDIDO


    HOMEMBOM MAGALHÃES

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Alô amigos(as)caatingueiros(as). Neste espaço deixem seus comentários sobre as notícias e sobre o BLOG.

Postagens mais visitadas deste blog

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa