Postagens

Mostrando postagens de Março, 2010

Gravatá ganha complexo ecoturístico com reserva de mata de caatinga

Imagem
A área de 100 hectares é a primeira reserva de caatinga privada em área urbana do Estado.

Situada a 80 Km do Recife, no agreste pernambucano, na microrregião do Vale do Ipojuca, Gravatá se destaca no Nordeste como pólo serrano de atração para o turismo, consagrando atividades hoteleiras, gastronômicas e imobiliárias e, neste sábado (03), vai ampliar estas potencialidades com o lançamento pela PKF Empreendimentos de um projeto diferenciado: o complexo ecoturístico de Karawa tã. O nome em tupi guarani significa “mato que fura”, gênero de planta da família das bromélias também chamada Caroatá,Caroá ou Gravatá. O projeto, concebido pelo arquiteto Paulo Roberto Barros e Silva, localiza-se numa área de 200 hectares, e incorpora práticas ecologicamente corretas e ambientalmente sustentáveis para produzir bens e serviços usando cada vez menos recursos naturais. O empreendimento possui 100 hectares de mata de caatinga em fase de regeneração, já reconhecido como Reserva de Patrimônio Privado Nat…

Jabutis serão soltos no Sertão do Estado

Imagem
Ação em Sertânia faz parte do programa de soltura em massa da espécie realizado pelo Ibama em parceria com o Parque Dois Irmãos

Um grupo de 60 jabutis do Parque Dois Irmãos será solto na manhã desta quinta-feira (25), em Sertânia, no Sertão, com mais 20 animais vindos de criadores particulares. A ação faz parte do primeiro programa de soltura em massa da espécie realizada pelo Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) na região do Semiárido.
O objetivo é reintroduzir os jabutis na caatinga, que é seu bioma natural. Além de auxiliar na conservação da espécie, a soltura também visa ao reflorestamento da caatinga, uma vez que esses quelônios são grandes dispersores de sementes. Sob responsabilidade do Núcleo de Fauna - Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama, a libertação será feita por técnicos dos dois órgãos públicos na Fazenda Algodões, imóvel de propriedade particular. Cada soltura inclui atividades de educação ambiental com as comunidades l…

Desmatamento na caatinga, uso de lenha e carvão, desertificação e mudanças climáticas. Algumas reflexões.

Imagem
O ecologista Frans Pareyn, da entidade não-governamental Associação Plantas do Nordeste (APNE) entende que o problema
não é o uso do bioma, o desastre ambiental se dá pela falta de manejo.

Neste importante artigo, o engenheiro Florestal, Frans Pareyn, da APNE - Associação Plantas do Nordeste, faz uma reflexão objetiva da situação recentemente divulgada pelo Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc sobre o desmatamento na Caatinga: 276.300 hectares por ano.  Frans Pareyn analisa as causas e faz algumas propostas. Confira o seu artigo abaixo. Desmatamento Na Caatinga
View more documents from marcelolct. Leia também: Até 2013 indústrias deverão deixar de comprar carvão vegetal de mata nativa
e A caatinga pode ou não ser manejada com sustentabilidade?
Manejo florestal é alternativa para conservação da caatinga

Caatinga: Carvão ecológico

Imagem
Na caatinga também tem carvão vegetal, 100% natural. Solução inteligente de baixo custo.


A desertificação do semiárido vem contribuindo para a degradação do bioma Caatinga. Nesse desmonte acelerado da natureza, o Ceará teve, em seis anos, 4.132 quilômetros quadrados desmatados, colocando-se em segundo lugar na voragem contra seus parcos recursos de flora e fauna. Nesse quadro de destruição, o Estado só perde para a Bahia, onde foram desmatados nove mil quilômetros quadrados no período entre 2002 e 2008. Essa lamentável realidade está contida no último relatório sobre o bioma Caatinga, realizado pelo Ministério do Meio Ambiente. A extensão da Caatinga, no País, era de 826 mil quilômetros quadrados, conforme mapeou o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Dessa imensa faixa territorial, 45,39% já não mais existem, afetados pela mão destruidora do homem. A Caatinga, riqueza ambiental típica do Nordeste brasileiro, ocupa 11% do espaço nacional, send…

Não há mais tempo a perder. É urgente preservar a caatinga.

Imagem
Caatinga: Foto Hugo Macedo
Único bioma de ocorrência exclusiva no Brasil, que já ocupou 10% do território nacional, a caatinga experimenta um processo acelerado de desmatamento – que pode significar a desertificação do Semiárido nordestino. Com 510 espécies de aves e 148 de mamíferos, a caatinga padece da ausência de uma política clara de conservação, que estanque o processo de desflorestamento e ajude a impedir a formação de um deserto em pleno Nordeste, ameaça concreta diante do aquecimento global do clima no planeta. Quase dois terços da área sob risco de desertificação no Brasil estão na caatinga, que já teve, a exemplo do cerrado, aproximadamente metade de sua extensão, que é de 826 mil km², destruída. Graças ao primeiro balanço resultante do monitoramento por satélite, foi detectado o sumiço, entre 2002 e 2008, de uma área com três vezes o tamanho do Distrito Federal – pouco mais de 16,5 mil km². O ritmo é semelhante ao do desmatamento da Amazônia, com consequências graves, já qu…

Comitê Estadual da Caatinga realizou a sua XVIII Reunião Ordinária no IPA em Recife (PE).

Imagem
O Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga (CERBCAA-PE) realizou  na última quarta-feira(10.03), na sede do Instituto Agronômico de Pernambuco -IPA, sua XVIII  reunião ordinária. Participaram da reunião representantes da Codevasf, IPA, Sectma, Sudene, CPRH, Ibama, IFPE, UPE -Universidade de Pernambuco, MMA/Programa Água Doce, Prefeitura de Floresta, e as ONGS GDMA (São Caetano), EMA de Floresta (PE), e APNE. Como tema central da pauta da reunião, a técnica Ana Virgínia Melo – do IBAMA/PE, fez uma apresentação aos membros do Comitê sobre os Agentes Ambientais Voluntários. A finalidade do programa é propiciar a participação da sociedade de forma a auxiliar o Ibama em atividades de educação ambiental, proteção, preservação e conservação dos recursos naturais em áreas protegidas e unidades de conservação federal. Qualquer pessoa física poderá habilitar-se ao ingresso no Programa desde que seja alfabetizada, tenha mais que 18 anos, esteja vinculada a uma entidade civil ambientalis…

Manejo florestal garante sobrevivência na caatinga o ano inteiro

Imagem
No Sertão de Pernambuco, agricultores estão descobrindo que preservar a natureza é um bom negócio. Retirar madeira da caatinga sem destruir a vegetação tornou-se uma forma de garantir renda para a família nas épocas de estiagem. Na comunidade rural da fazenda Pipocas, em Floresta, moram catorze famílias. Como a região é uma das mais secas do País, agricultura apenas não é suficiente para garantir o sustento. Foi nessas circunstâncias que o manejo florestal surgiu, ajudando a melhorar a vida de todos por lá. Os homens se preparam para um dia de trabalho, aprontando o carro de boi, a carroça e as ferramentas indispensáveis: foice e machado. O destino é uma área de caatinga fechada e, no local definido, árvores começam a ser cortadas imediatamente. À primeira vista, o corte das madeiras parece ser um desmatamento criminoso como outro qualquer, mas isso é só uma impressão. A retirada de cada galho de caatinga é planejada: espécies nativas, protegidas por lei, como a aroeira e a baraúna, por …

Sociedade pede proteção para a caatinga.

Imagem
CERBCAA/PE compõe o Fórum de Mudanças Climáticas de Pernambuco. (Foto da Caatinga Maria Hsu Creative Commons)
Das 41 unidades de conservação de proteção integral, aquelas em que não é permitido o corte da vegetação, criadas pelo governo de Pernambuco, nenhuma está nos domínios da caatinga. Estender as ações estaduais para o bioma é uma das sugestões da sociedade civil incluídas ontem na minuta do projeto de lei que institui política de Enfrentamento às Mudanças Climáticas. O documento foi discutido em reuniões no Recife, Caruaru (Agreste) e Araripina (Sertão). “Além da criação de unidades de conservação na caatinga, os participantes abordaram a necessidade de um instituto de pesquisa na área”, diz a coordenadora das consultas públicas, Adriane Mendes. Em relação ao instituto, ela acredita que poderá ser um braço da Agência Pernambucana de Águas e Clima, em fase de implantação. “É preciso deter a devastação da caatinga. O desmatamento gera perda de biodiversidade e contribui para a emissã…

Aquário mostra espécies do Rio São Francisco

Imagem
A Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (MG) inaugurou no dia 5 de março o Aquário de Peixes da Bacia do Rio São Francisco da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte – FZB-BH. A Codevasf tem colaborado na implantação do aquário com o fornecimento de espécimes de peixes por parte do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Três Marias, viabilizado por meio de um acordo de cooperação técnica assinado com a Fundação Zoobotânica.

A riqueza das espécies de peixes que vivem no Rio São Francisco poderá ser vista desde a sexta-feira (05.03) num aquário gigante construído dentro do zoológico de Belo Horizonte pela prefeitura da capital mineira. Esse é o primeiro aquário temático de água doce do Brasil. O público poderá ver 1200 peixes de 40 espécies, expostos em 22 tanques, que contam com um total de mais de 1 milhão de litros de água. Muitas destas espécies nunca foram estudadas. A vegetação de parte do aquário simula as margens do Rio São Francisco, propiciando as condições adeq…

Pacto marca encerramento de Encontro Nacional de Enfrentamento da Desertificação realizado em Petrolina e Juazeiro.

Imagem
Combate à desertificação (Foto: MMA)
Representantes de 12 ministérios, dos governos estaduais e municipais, do setor produtivo, da comunidade científica e da sociedade civil encerraram nesta sexta-feira (5/3), em Petrolina (PE), o I Encontro Nacional de Enfrentamento da Desertificação com um balanço extremamente positivo. Depois de três dias de muitos debates em torno de temas como a revitalização da Caatinga; redução da pobreza e da desigualdade; conservação e manejo sustentável dos recursos naturais e ampliação da capacidade produtiva, o Encontro efetivou uma agenda político-institucional com 90 propostas que resultou em um documento denominado Pacto pelo Desenvolvimento Sustentável do Semiárido Brasileiro. Promovido pelos Ministérios do Meio Ambiente e da Integração Nacional com execução do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura - IICA, o Encontro foi aberto em Juazeiro (BA) na noite da última quarta-feira pelo ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc. Segundo o Secr…

Caatinga: Reserva Pedra do Cachorro é indicada para virar posto da biosfera. Proposta é do Comitê Estadual da Caatinga.

Imagem
A RPPN Pedra do Cachorro, em São Caetano, no Agreste pernambucano, aguarda a concessão do título, o que vai resultar na ampliação da área preservada e das pesquisas científicas. O título precisa ser concedido pelo Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Caatinga - CNRBCAA.

Uma vistoria de avaliação realizada por técnicos da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), recentemente, na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Pedra do Cachorro, é um dos passos para instalação do projeto de ampliação da área visando transformá-la em Unidade de Conservação. A reserva, que tem 23 hectares de extensão e está localizada a 18 quilômetros do Centro de São Caetano, no Agreste do Estado, também foi indicada no ano de 2008 para ser o primeiro Posto Avançado da Biosfera da Caatinga em Pernambuco. A proposta é do Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga (CERBCAA-PE). A expectativa é que nas comemorações do Dia Nacional da Caatinga, 28 de abril, o Conselho Nacional da Reserva da Bi…

Caatinga devastada: Pernambuco na lista dos que mais desmatam

Imagem
O Coordenador do Comitê Estadual da Caatinga em Pernambuco,  Elcio Barros, comenta o desmatamento da caatinga e as preocupações do Comitê na preservação deste bioma exclusivamente brasileiro.
Da lista de 10 municípios brasileiros que mais desmataram a caatinga em seis anos (entre 2002 e 2008), quatro estão no Ceará (Acopiara, Tauá, Boa Viagem e Crateús), quatro na Bahia (Bom Jesus da Lapa, Campo Formoso, Tucano e Mucugê) e dois em Pernambuco (Serra Talhada e São José do Belmonte). O coordenador-geral do Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga do Estado de Pernambuco, Elcio Alves de Barros e Silva, aponta uma siderúrgica fechada no ano passado em São José do Belmonte como uma das principais causas recentes do desmatamento na região. “A empresa, autuada várias vezes pelo Ibama, acabou fechando há oito meses”, revela. Elcio Alves também aponta o avanço do polo gesseiro como uma ameaça ao bioma. “As consequências do uso da lenha nas calcinadoras estão se expandindo para além dos l…

Dados preocupantes: Caatinga teve 16,57 mil km² desmatados em seis anos

Imagem
Dados do monitoramento do desmatamento no bioma realizado entre 2002 e 2008 revelam que, neste período, o território devastado foi de 16.576 km2
O Ministério do Meio Ambiente divulgou nesta terça-feira o desmatamento da caatinga, bioma dominante na região Nordeste. Dos 826.411 quilômetros quadrados, a caatinga perdeu 45,39% de sua cobertura vegetal original, ou seja, 375.116 quilômetros quadrados. Os estados que mais desmataram foram Bahia e Ceará, destruindo respectivamente 0,55% e 0,50% do bioma entre 2002 e 2008. Neste período, 2% do bioma foram queimados, uma área de 16.576 quilômetros quadrados. Nesses seis anos, a taxa média anual de desmatamento foi de 2.763 quilômetros quadrados. Segundo o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, a principal razão é a falta de alternativas energéticas para a região. No Nordeste, a vegetação é derrubada especialmente para fazer lenha e carvão. - Tem que ter alternativa. Sem alternativas energéticas a guerra é muito complicada e dificilmente vamos …