domingo, 29 de abril de 2012

Nova área de conservação na caatinga em Pernambuco.

Estação Ecológica de Serra da Canoa, em Floresta (PE)

Em comemoração ao Dia da Caatinga, o governador Eduardo Campos lançou o programa Caatinga Sustentável e assinou o decreto que cria a segunda Unidade de Conservação (UC) do bioma. As iniciativas têm como principal objetivo preservar a biodiversidade existente na Caatinga que hoje ocupa apenas cerca de 50% de sua área original.
SERRA DA CANOA – O município de Floresta foi o escolhido para receber a segunda UC da Caatinga. A Estação Ecológica (ESE) de Serra da Canoa ocupará uma área de cerca de 6.600 mil hectares. A unidade foi adquirida como passivo ambiental pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) e será repassada ao Estado.
A implantação da UC também é uma resposta à solicitação feita pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga (CERBCAA/PE) e  pela organização não-governamental SOS Caatinga, que tem sede no município. “A Caatinga é um bioma que toca cerca de 90% do nosso território e 135 municípios do estado tem uma realidade de semiárido sob ameaça de desertificação. E entre tantas outras políticas precisamos de uma que implante unidades de conservação para que essas áreas sejam realmente preservadas”, afirmou o governador, durante a cerimônia no Palácio do Campo das Princesas.
Gestora das Unidades de Conservação, Giannina Cysneiros comemorou os resultados obtidos com a criação, em 2011, do Comitê Executivo para Criação e Implantação de Unidades de Conservação de Pernambuco. “Em menos de um ano de trabalho do comitê partimos do zero para a implantação de oito mil hectares de área preservação na Caatinga”.
Serra da Canoa será uma unidade de proteção integral. Estudos técnicos desenvolvidos pelas equipes da CPRH e da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade confirmaram as boas condições da biodiversidade na área. “A vegetação existente na Caatinga sobrevive às estiagens e a todo tipo de adversidade. Por tudo isso temos a possibilidade de encontrar riquezas que possam mudar a economia”, disse Eduardo.
Ao longo de 25 anos Pernambuco criou 66 Unidades de Conservação, mas nenhuma na Caatinga. Diante deste cenário, o Governo do Estado estabeleceu como meta prioritária implantar, até 2014, mais de 270 mil hectares de UCs em áreas suscetíveis à desertificação. Serão implantadas 81 unidades, desse total 68 ficarão na Mata Atlântica - bioma mais ameaçado do Brasil, com apenas 1% da cobertura original em Pernambuco -, e 13 na Caatinga. Além das unidades, 22 conselhos gestores estão em fase de consolidação.
(Fonte: Imprensa PE)



sexta-feira, 13 de abril de 2012

Caatinga de Pernambuco terá nova área de preservação. Outra área sugerida pelo Comitê Estadual da Caatinga no ano de 2010.




Sertão: O Governo de Pernambuco pretende transformar terreno de 12 mil hectares, em Floresta (PE), em unidade de conservação. Negociação para a compra de imóvel está em curso.

Trecho de caatinga com 12 mil hectares, em Floresta, no Sertão, pode ser transformado em unidade de conservação estadual. A área, que pertence aos proprietários rurais, deve ser adquirida pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba - Codevasf, vinculada ao Ministério da Integração Nacional, e repassada para o governo de Pernambuco. A negociação está em curso e visa sanar o passivo ambiental da Codevasf. A estatal informa que uma das pendências é a reserva legal, porção de vegetação nativa que imóveis rurais devem obrigatoriamente proteger, do Perímetro Senador Nilo Coelho. Por lei, 20% dos 55 mil hectares do empreendimento devem ser protegidos. "Temos uma reserva com 3 mil hectares em Petrolina, mas precisamos de mais 8 mil hectares para completar a reserva legal", justifica o Chefe da Unidade Regional de Meio Ambiente da Codevasf (3ª SR), Luiz Gonzaga de Araújo.
Por sugestão, segundo ele, da Agência Pernambucana de Meio Ambiente (CPRH), a área de 12 hectares a ser desapropriada servirá também como compensação ambiental de impactos provocados por outros empreendimentos da Codevasf. "Obras de saneamento em que foi preciso desmatar", exemplifica.
De acordo com Luiz Gonzaga, o processo de implantação da reserva será iniciado, e em seguida interrompido, para permitir que o governo crie a unidade de conservação. Isso porque áreas protegidas não podem ser implantadas em matas destinadas à reserva legal. A indenização dos proprietários - o valor ainda não foi calculado - será bancado pela Codevasf.
Na próxima terça-feira (17,04), às 9h, o projeto de criação da estação ecológica será apresentado em audiência pública, na Câmara dos Vereadores de Floresta. O próximo passo para consolidação da proposta será a aprovação pelo Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema), dia 20, às 9h, no auditório do Cais do Porto, na Rua do Apolo.
A intenção do governo é publicar decreto instituindo a unidade de conservação, no Diário Oficial do Estado, em 28 de abril, quando se comemora o Dia Nacional da Caatinga. A data foi definida em 2003 por decreto federal e é alusiva ao nascimento do ecólogo pernambuco João Vasconcelos Sobrinho (1908-1989).

CANOA

Chamada Serra da Canoa, a localidade em  Floresta (PE), se encontra em bom estado de conservação. Esta será a segunda área conservada em nível estadual na caatinga. A primeira é o Parque Estadual da Mata da Pimenteira, em Serra Talhada. Com 887,24 hectares, a unidade de conservação, criada no início do ano, fica na Fazenda Saco, estação experimental do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). Todas as outras são no domínio da mata atlântica.
(Fonte: Jornal do Commercio - Ciência e Meio Ambiente)

quarta-feira, 4 de abril de 2012

III Workshop Potencial Biotecnológico da Caatinga - Dia 24 de abril na Univasf em Petrolina (PE).


Programação

Dia 24 de abril de 2012 (terça-feira)

9:00- 9:30h Abertura oficial do evento

9:30-9:45h Intervalo

9:45- 12:15h

Mesa Redonda: Conservação e substâncias biologicamente ativas do Bioma da Caatinga

Coordenador: Profa. Dra. Márcia Vanusa da Silva- Departamento de Bioquímica- UFPE

Manejo de espécies florestais para a região Semiárida

Dr. Marcos Drumond- Embrapa Semiárido

Avaliação do potencial químico e farmacológico de espécies da família Bromeliaceae nativas da caatinga: pesquisa de novas moléculas com atividade analgésica, antiinflamatória e antiulcerogênica.
Dr. Jackson Roberto Guedes da Silva Almeida- Colegiado de Ciências Farmacêuticas- UNIVASF.

Plantas da Caatinga: atividade contra microrganismos patogênicos
Dr. Alexandre José Macedo- UFRGS. Coordenador da Rede de Biofuncionalização de Superfícies.


12:15h Intervalo Almoço

14:00- 16:30h Mesa Redonda: Caracterização de Metabólitos Especiais e Sistemas produtivos de plantas medicinais
Coordenador: Dr. Jackson Roberto Guedes da Silva Almeida- Colegiado de Ciências Farmacêuticas- UNIVASF.

O Bioma da Caatinga como fonte de recursos genéticos para o melhoramento de plantas
Dra. Carolina V. Morgante- Embrapa Semiárido
Isolamento e identificação estrutural de metabólitos secundários oriundos das plantas da Caatinga.
Dra. Tânia Maria Sarmento da Silva- Departamento de Química- UFRPE
Desenvolvimento de cadeia produtiva de Plantas Medicinais.
Dra. Cláudia Sampaio de Andrade Lima- UFPE


16:30h Instituto de Bioprospecção e Conservação da Caatinga- IbcC.

Dra. Márcia Vanusa da Silva- Coordenadora do IbcC
Realização:

Instituto de Bioprospecção e Conservação da Caatinga- IbcC

Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Caatinga se reune na Fundaj para discutir a revisão dos limites da Reserva da Biosfera da Caatinga

                                          Parque Nacional Cavernas do Peruaçu - Crédito: Adriano Gambarini / MMA Recife - Conselheir...