Desertificação foi tema de reunião do Comitê da Caatinga


A reunião promovido pelo CERBCAA-PE, no último dia 13.11 no IPA em Recife(PE) contou com especialistas de várias Instituições para discutir o tema da DESERTIFICAÇÃO no Nordeste e especificamente no Estado de Pernambuco. O resumo da reunião está publicado abaixo:

• Presenças: Elcio Alves de Barros – Coord. do CERBCAA-PE; Débora Coelho – UFPE; Edneida Cavalcanti – FUNDAJ; João Gominho – Engenheiro Florestal; Ricardo Padilha – Consultor MMA; Fabiana Alves – GTZ; Norbert Wende – GTZ; Fernando Mota – Professor da UFPE; Marcos Alves - Professor da UFPE; Rita de Cássia Araújo – IPA; Luciano Accioli – EMBRAPA SOLOS; Antonio Raimundo – IPA; Fernando Gallindo – IPA;
• Após as apresentações o consultor Ricardo Padilha contextualizou a questão da desertificação dentro do MMA. Expressando sua opinião e que esta reunião é uma oportunidade de discutir com várias entidades que tratam da desertificação destacando que o CERBCAA-PE pode ser um elemento de aproximação dos vários entes nele representado com a coordenação do programa de desertificação no Estado e o MMA.
• Em seguida Edneida Cavalcanti falou da dificuldade em obter informações sobre o PAN – Programa Nacional de Combate a Desertificação, citando especificamente o site do MMA. Informou que participou do Seminário da Comissão Nacional sobre Desertificação e que acha importante que a temática da desertificação seja tratada pelo CERBCAA-PE.
• Em seguida o professor Fernando Mota do departamento de Geografia da UFPE fez uma palestra sobre os trabalhos que desenvolve na caatinga pernambucana reavaliando os estudos realizados pelo professor Vasconcelos Sobrinho no final do século passado. O professor apresentou o trabalho realizado por ele e sua equipe, sob o título:
“Processos e mecanismos de desertificação no Estado de Pernambuco - Nordeste Brasileiro - com especial referência ao núcleo de Cabrobó: município de Belém do São Francisco”.
O referido trabalho teve como objetivo geral realizar levantamento do atual quadro do processo de desertificação no Estado de Pernambuco de forma a poder avaliar a evolução do processo nos últimos 30 anos e implementar técnicas de recuperação de solos degradados em área piloto.
Como objetivos específicos: realizar levantamento das áreas desertificadas no Estado de Pernambuco, identificando-as em base de dados espaciais.
Estabelecer o município de Belém de São Francisco como área de estudo, com indicação dos diferentes graus de degradação de seus solos (ou de desertificação), segundo indicadores definidos por Vasconcelos Sobrinho (1971;1974;1978a;b).
Também, selecionar área piloto para implementação da técnica de rochagem, como recurso de recuperação de áreas desertificadas;
Monitoramento ambiental de áreas susceptíveis à desertificação utilizando indicadores biológicos: interação abelhas e plantas;
Possibilitar participação efetiva, ao nível local, das populações residentes, através da educação ambiental, nos trabalhos de controle do processo de desertificação e manutenção da biodiversidade e heterogeneidade biológica. Durante e após a palestra houve intensa participação dos demais técnicos presentes à reunião. Inclusive a sugestão de Edneida Cavalcanti para realização de trabalhos que liguem a questão da desertificação na caatinga com o tema Mudanças Climática.
• Em seguida o representante da Embrapa Solos, Luciano Accioli falou da experiência da Embrapa e os trabalhos de pesquisa por ele desenvolvido que em alguns aspectos têm grande semelhança com o trabalho apresentado pelo professor Fernando Mota. Falou, também, que ele (Luciano), será o representante da Embrapa na Comissão Nacional de Combate a Desertificação que será empossada no final deste mês de novembro.
• O Senhor Ricardo Padilha disse que espera que não se criem novas estruturas administrativas para tratar de desertificação como é comum no Brasil e que em sua opinião o DNOCS tem uma estrutura e pessoal qualificado para trabalhar esta questão em interação com outros órgãos. Lembrou também que os satélites do projeto SIVAM apagam as fotos que registram da Caatinga, quando poderiam ser utilizadas pelos estudiosos.
• Os técnicos da GTZ presentes, informaram que esta entidade está contratando consultores para atuarem na questão da desertificação. Disseram também, que a GTZ tem interesse em futuramente estabelecer um convênio/acordo com o IPA para que se desenvolva um projeto de assistência técnica e extensão rural visando executar ações de prevenção ao processo de desertificação.
• Ao final foi recomendado que os técnicos da SECTMA-PE responsáveis pela execução do PAN, Sérgio Mendonça e Edneida Cavalcanti, informem de maneira sistemática o andamento do programa em Pernambuco ao CERBCAA-PE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)