Volume de chuva fica acima da média em várias partes do país


Em várias partes do país o volume de chuva ficou acima da média em dezembro. O problema é que em algumas regiões essa chuva foi mal distribuída. Choveu muito no início do mês e depois parou. É o caso do sertão de Pernambuco, que vive um momento chamado de seca verde.
No campo, o agricultor José Carlos da Silva confere o resultado do que plantou há pouco mais de uma semana. Na terra seca já é possível ver alguns brotos de feijão. Mesmo com as sementes germinadas, o agricultor não tem garantia de que a lavoura vai vingar.
“Essas sementes a gente guardou do ano anterior. Plantamos, ela começou a germinar, mas pelo visto, se não chover, vai perder tudo. É uma seca verde”, disse José Carlos.
Esta é a situação enfrentada por mais de 70 famílias do distrito de Atalho, a 100 km de Petrolina, no sertão pernambucano. Apesar da paisagem vistosa, o sertanejo ainda não tem previsão de safra. O pouco que choveu não foi suficiente para abastecer açudes e barreiros que dão sustentabilidade à produção.
O ponto de água mais próximo fica a três quilômetros da comunidade. Mesmo assim, os agricultores não podem contar com essa alternativa porque o açude está quase seco.
O agricultor Antônio Francino da Silva, que já viu a fartura de água em anos anteriores lamenta a situação. “Aquela que abastecia toda a comunidade está fazendo mais de um ano que está seca. A perspectiva de chuva está longe, só estamos vendo sol agora“, disse Antônio.
A água só foi suficiente para devolver o verde à caatinga, característica dessa vegetação que reage mesmo com pouca chuva. Um alento para os produtores rurais que criam cabras e ovelhas e que agora têm o que dar de comer para os animais.
“Aqui com esse pasto verde, quando a gente tira eles do chiqueiro e do curral, eles já saem comendo. Na seca, eles saíam de cabeça baixa comendo a terra, porque não tinha o alimento”, conta a agricultora Isabel Francisca da Silva. (Fonte: Globo Rural)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)