Imagens da Caatinga.

João Vital Evangelista Souto - especialista em fotografar a natureza.


Yuno Silva - repórter


Fotografar a natureza pode até parecer uma coisa simples, mas capturar e traduzir a magia de um lugar com apenas um clique é o desafio que move o fotógrafo potiguar João Vital Evangelista Souto, especialista em registrar a Caatinga, seus habitantes e sua cultura. Bioma típico da região Nordeste do Brasil, quando se fala em Caatinga vem logo à mente aquela paisagem pedregosa, árida, cheia de espinhos e vegetação retorcida. Não deixa de ser isso também, mas é muito mais: há toda uma gama de possibilidades imagéticas que podem perfeitamente passar despercebidas ao olhar menos atento.
Profissional há 25 anos, dos quais 22 são voltados para revelar as diversas faces do único ecossistema exclusivamente brasileiro, João Vital embarca nos próximos dias para Brasília, onde participa da exposição coletiva “Caatinga: Belezas e Riquezas”, ao lado de nomes consagrados como Araquém Alcântara. Em cartaz no Espaço Mário Covas, anexo 2 da Câmara dos Deputados, entre os dias 25 e 29 de abril, “a mostra faz parte de uma série de atividades promovidas pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), cujo intuito é chamar atenção para o desmatamento deste bioma que ocupa cerca de 10% de todo o território brasileiro (850 mil km²), que inclui os nove estados nordestinos mais o norte de Minas Gerais”, informa Vital.
Ao todo serão 20 fotos em formato grande, sete do potiguar, alusivas às comemorações da Semana da Caatinga – dia 28 de abril é celebrado o Dia da Caatinga. Paralela à mostra, haverá audiência pública com o objetivo de implementar instrumentos para o controle do desmatamento e pressionar o poder legislativo para aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que propõe transformar Cerrado e Caatinga em patrimônios nacionais. “O uso insustentável dos recursos naturais, ao longo de centenas de anos de ocupação, associado à imagem de local pobre e seco, fazem com que a Caatinga esteja bastante degradada. Contrario essa visão restrita com imagens”, afirma. “É o bioma mais fragilizado do Brasil”, garante.
A exposição em Brasília conta com parceria do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, da ong The Nature Conservancy – TNC e do Núcleo Caatinga do MMA.

ONU

De acordo com o fotógrafo, esta é a quinta vez que participa de eventos do gênero: “Tenho um grande banco de imagens sobre o tema, acumulado ao longo dessas duas décadas de fotografia, e posso dizer que meu trabalho já é visto como referência nacional”, orgulha-se. Também funcionário público do Estado, lotado no Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – Idema, João contou que sua paixão pelas imagens sertanejas ganhou força após participar de um programa patrocinado pelas Nações Unidas (PNUD). “Durante mais de 13 anos documentei os hábitos de vida das pessoas do sertão, o dia a dia vivido por diversas comunidades quilombolas do Nordeste dentro do projeto Gef-Caatinga (Fundo Global para o Meio Ambiente, na sigla em inglês)”, explica.

Projetos

Os cliques de João Vital foram registrados no “Atlas da Biodiversidade das florestas do Brasil”, lançado em 2007/2008, um livro que, segundo o fotógrafo, não chega por aqui: “Essa publicação custa em torno de 250 reais e só circula nos grandes centros do Sudeste e em Brasília. Nem em Recife consigo encontrar”, disse.
E há outros títulos engatilhados, alguns no aguardo do andamento de trâmites burocráticos: “Há pelo menos oito livros fotográficos com imagens minhas para sair, cada um em um lugar diferente: ‘Águas e Terras do Rio São Francisco’ aguarda liberação do MMA para ser publicado pela Chesf (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco)”, exemplifica. “As Florestas Nacionais do Brasil” e “A Lenha”, que trata do uso sustentável da madeira enquanto fonte energética, são outros dois também prontos.
Em Pendências (RN), através da parceria com a Fundação Félix Rodrigues (Ponto de Cultura), João Vital adianta que logo estará nas prateleira “O mundo varzeano de Manoel Rodrigues de Melo” (1907 - 1996), com fotos dele e textos de Salete Queiroz sobre advogado, escritor e pesquisador macauense.
O fotógrafo potiguar ainda participou das mostras “Iniciativas Sustentáveis no Bioma Caatinga”, na embaixada da Suíça no Recife, em 2008; e “Produção Florestal Sustentável da Caatinga: Garantia de Sobrevivência”, exposição comemorativa aos 20 anos do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais), no Paço da Alfândega, também na capital pernambucana, no ano passado.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)