Obras do rio São Francisco serão compensadas por centros ambientais.

Adriano Machado
Ministério destina R$ 6 milhões para criação de centros
ambientais em áreas do Vale do São Francisco

por Globo Rural Online com informações do MIN

O Ministério da Integração Nacional (MIN) está desenvolvendo 36 projetos ambientais paralelos às obras que integram o rio São Francisco a bacias do Nordeste Setentrional. As ações tem como principal objetivo compensar os impactos socioambientais provocados pelo Projeto São Francisco. Segundo o MIN, para recuperar as áreas degradadas e conservar a flora e fauna do bioma Caatinga, já foram direcionados R$ 6 milhões para três centros ambientais em Pernambuco: dois deles estão em Petrolina e um em Serra Talhada.
O Centro de Manejo de Fauna da Universidade Federal do Vale do São Francisco, em Petrolina, no sertão de Pernambuco, é uma das instituições de pesquisas científicas financiadas com recursos federais. A unidade de triagem de animais silvestres foi inaugurada oficialmente em abril deste ano pelo ministro da Integração, Fernando Bezerra Coelho. Desde 2008, cerca de dez mil animais da caatinga passaram pelo Cemafauna, receberam tratamento médico-veterinário e foram realocadas na natureza.
Para a recomposição da cobertura vegetal nos trechos impactados pelo Projeto São Francisco, o Ministério, por meio da Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), também patrocinou a construção de dois centros de referência para recuperação de áreas degradadas (CRAD). Um deles é coordenado pela Univasf em Petrolina e tem capacidade para armazenar até 3,5 milhões de sementes. O CRAD/Univasf está localizado no Perímetro de Irrigação Senador Nilo Coelho, onde antes funcionava a Estação de Bovinocultura da Codevasf. A área de 360 hectares foi doada à universidade em 2003 pela Companhia.
O CR-ad Bioma Caatinga de Serra Talhada, no sertão do Pajeu, está atrelada ao campus da Universidade Federal Rural de Pernambuco. Com o dinheiro repassado pela Codevasf, a unidade para recuperação da caatinga pernambucana adquiriu três veículos (van, caminhonete e caminhão). O CR-ad da UFRPE em Serra Talhada está projetado para ter herbário, laboratórios, banco de germoplasma e viveiro-escola.
O superintendente da Codevasf em Pernambuco, Luís Frota, considera que os investimentos em centros acadêmicos representam segurança institucional e bons resultados para a revitalização da bacia do rio São Francisco. “As universidades são fontes seguras e eficazes na busca de soluções para melhoria do meio ambiente”, ressalta o dirigente da Companhia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)