Novo calango é encontrado na caatinga.

Descoberta recente do Tropidurus jaguaribanus na região sertaneja cearense mostra haver no Estado uma biodiversidade pouco conhecida e explorada em pesquisas científicas.
Uma nova espécie de lagarto é cientificamente reconhecida e enriquece a biodiversidade do sertão cearense (Foto: Arquivo Pessoal)


Na região sertaneja, mais especificamente nas localidades do Vale do Jaguaribe, região leste do Ceará, foi encontrada uma nova espécie de lagarto. A descoberta foi reconhecida cientificamente em junho com a publicação do trabalho no periódico Zootaxa, da Nova Zelândia.
Dentro de um projeto maior do Núcleo Regional de Ofiologia (Nurof-UFC), os professores universitários Daniel Cassiano e Daniel Cunha iniciaram, em 2008, uma comparação entre as espécies de lagartos popularmente conhecidos como calango-de-lajeiro.
Na região jaguaribana já foram localizadas um total de três espécies diferentes, porém, durante a análise, os professores universitários perceberam diversidades em cor e tamanho, além de outras especificidades, em um desses lagartos.
A diferença está na presença, no meio do dorso do animal, de uma única faixa clara longitudinal. Além disso, dentre as espécies do grupo, esta parece apresentar o maior tamanho.
Durante o período de dois anos, envolvendo pesquisa, conclusão e envio dos resultados para revistas científicas, os pesquisadores tiveram a contribuição da coleção da flora do laboratório da Universidade de São Paulo (USP), que enviou para eles duas das três espécies usadas na comparação.
Ao final do trabalho, os autores constataram que em meio a rochas e caatinga, há uma biodiversidade rica nas terras secas cearenses pouco explorada e estudada no Estado.
O novo lagarto foi registrado cientificamente como Tropidurus jaguaribanus, mas, assim como as outras três espécies já existentes, ele continuará sendo chamado e conhecido na região sertaneja como o calango-de-lajeiro.

Pesquisa

O Nurof-UFC mantém uma constante análise da biologia dos répteis e anfíbios das três regiões do Nordeste (serra, litoral e sertão), tendo como foco principal o estudo do veneno das serpentes (ofidismo).
Além de pesquisas científicas, que muito auxiliam na redução dos índices de acidentes com animais peçonhentos no Ceará, o Núcleo promove ações de extensão, como educação ambiental para a população rural e estudantil.
Ele foi criado em 1987 para atender as funções destinadas ao Núcleo de Ofiologia da região Nordeste e somente sob a coordenação de Diva Maria Borjas, iniciada em meados da década de 1990, que o ramo de suas pesquisas estenderam-se das cobras a todos os répteis e também aos anfíbios.
Segundo Cassiano, embora os trabalhos envolvendo os répteis do Ceará ainda sejam escassos e concentradas nas regiões serranas e no litoral, ele acredita que já estão aparecendo outros núcleos de pesquisa que não o Nurof-UFC.

Fique por dentro

Pesquisas da UFC

O calango remete-se ao nome comumente dado ao lagarto do gênero Tropidurus, conhecido pelo porte pequeno, hábitos diurnos, rápidos movimentos e vivência em locais secos. No Nordeste brasileiro, três espécies já foram encontradas (Tropidurus oreadicus, Tropidurus torquatus e Tropidurus itambere) e, este ano, mais uma foi descoberta por pesquisadores da UFC. Trata-se da Tropidurus jaguaribanus, o novo calango-de-lajeiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)