O maior ritmista do país

Há 90 anos nascia Jackson do Pandeiro, o artista que cantou a realidade do povo e influenciou gente como Gilberto Gil, João Bosco, Chico Buarque e Lenine.

Por: William Costa

No dia 31 de agosto de 1919, nascia em Alagoa Grande, no Brejo Paraibano, José Gomes Filho, primogênito do casal formado pelo oleiro José Gomes e a cantora de coco Flora Mourão, cujo codinome, Jackson do Pandeiro, marcaria para sempre a história da música popular brasileira.
Jackson do Pandeiro é considerado não só o artista de recursos vocais sofisticados, de jeito alegre e malandro, mas o maior ritmista do país. Junto com o pernambucano Luiz Gonzaga, cantou a realidade do povo pobre do Nordeste e foi, nas décadas de 50 e 60 do século passado, um ídolo nacional.
No tempo em que sua fina e negra estampa brilhava nos palcos do país, principalmente os do Rio de Janeiro, fez o povo esquecer a tristeza advinda da vida difícil, cantando os sucessos eternizados nos discos que gravou nas cinco gravadoras pelas quais passou, em cinquenta e quatro anos de carreira.
Ouvindo-o nos shows ao vivo, nos discos, pelas ondas do rádio e, posteriormente, pela tela da televisão, o povo dançou ao som contagiante de músicas como 17 na corrente, Coco do Norte, O velho gagá, Vou ter um troço, Sebastiana, O canto da ema e Chiclete com banana.
A história da sua carreira artística reforça a herança da influência negra na música nordestina - via cocos originários de Alagoas - que lhe permitiu sempre com o auxílio de um pandeiro na mão se adaptar aos sincopados sambas cariocas e à música de carnaval em geral.
Jackson do Pandeiro fez escola, influenciando artistas e movimentos. Entre os seus inúmeros devotos figuram artistas de épocas e estéticas as mais diversas, como Gilberto Gil e Alceu Valença, João Bosco e Zé Ramalho, Chico Buarque e Lenine, Raul Seixas e Gabriel, o pensador.
Que o diga Badu, produtor e músico do Clã Brasil, de João Pessoa, um dos grupos assumidamente "jacksoniano". "Jackson era afinadíssimo, cantava brincando, e um grande ritmista. Ele e Luiz Gonzaga, à época, eram verdadeiros heróis. Jackson é a nossa referência técnica", destacou.
Homenagens - Uma série de homenagens pelos 90 anos de nascimento de Jackson do Pandeiro estão sendo realizadas no município de Alagoa Grande, terra natal do artista, nesta segunda-feira, promovidas pelo Governo do Estado, através do jornal A União, a Prefeitura Municipal de Alagoa Grande e Associação Cultural e Recreativa Anjo Azul. Shows musicais, exposições de artes plásticas e artesanato, espetáculos de teatro, visitas ao memorial e oficinas são os principais eventos da programação.
(Fonte: O Nordeste)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)