Expedição à caatinga mapeia fauna da região que vai abrigar o Parque Boqueirão da Onça

Foto: Onça Vermelha - Site Ache Tudo e Região

Analistas ambientais do Instituto Chico Mendes realizam, desde segunda-feira (18), nos municípios de Campo Formoso, Sento Sé, Juazeiro e Umburanas, na Bahia, a 1º Expedição Conjunta dos Centros de Fauna – Cemave (aves silvestres), CPB (primatas), Cenap (predadores) e RAN (répteis e anfíbios). A expedição, que segue até o dia 31, vai catalogar espécies ameaçadas e reunir dados para a criação do Parque Nacional do Boqueirão da Onça e do Corredor da Biodiversidade da Caatinga, que ligará a futura unidade aos Parques Nacionais da Chapada Diamantina (BA) e da Serra da Capivara (PI).
A região proposta para a implementação do novo parque compreende uma área de 823 mil hectares de caatinga, bioma pouco estudado que, segundo especialistas, pode concentrar inúmeras espécies endêmicas e ameaçadas.
Para os analistas ambientais do Centro Nacional de Pesquisa para a Conservação das Aves Silvestres (Cemave), além do levantamento dos animais, a expedição promoverá a troca de conhecimentos entre os pesquisadores que atuam para proteger a fauna. “É uma ótima oportunidade de aprendizado para os técnicos, um momento de reflexão sobre a importância da preservação das mais variadas espécies e dos ambientes que elas dependem. Este tipo de esforço auxilia na tomada de decisão e define políticas necessárias à conservação”, explica Elivan Arantes de Souza, analista que coordena os técnicos enviados à campo pelo Cemave.
O pesquisador lembra que a criação do Parna Boqueirão da Onça é essencial para a concretização da área do Corredor da Caatinga, que atingirá a Bahia, Pernambuco e Piauí e terá cerca de três milhões de hectares, interligando unidades de conservação dos três estados e contemplando grande parte da bacia do Rio São Francisco.
Nesta 1ª expedição conjunta, o Cemave concentrará esforços em Sento Sé, já que quase 70% deste município fica dentro do futuro Parque, uma das áreas prioritárias para conservação da biodiversidade na Caatinga. “Faremos a captura de aves em diversos pontos de coleta. Elas serão transportadas para o acampamento, onde serão realizadas a identificação, marcação com anéis metálicos, medições, fotografias e, finalmente, as solturas”, revela Elivan.


Comentários

  1. não gostei da reportagem,distingue muito pouco da região

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Alô amigos(as)caatingueiros(as). Neste espaço deixem seus comentários sobre as notícias e sobre o BLOG.

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)