Famílias da zona rural do Ceará recebem fogões ecológicos

Cerca de 22 mil fogões ecológicos serão entregues a famílias do Interior.
O equipamento não precisa de tanta lenha e evita que paredes e telhas fiquem manchadas


Até o fim do ano, a previsão é de que mais 15 mil famílias da zona rural do Interior sejam beneficiadas com o fogão ecologicamente correto. Produzido pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável & Energias Renováveis (Ider), o equipamento não deixa a fumaça ficar dentro de casa, o que diminui o risco de doenças para as pessoas, além de evitar que as paredes e as telhas da casa fiquem sujas. Outro ponto positivo para o novo fogão, que funciona a lenha, é que ele não utiliza grande quantidade de madeira. São necessários alguns gravetos para que o fogão trabalhe. No ano passado, quatro mil fogões foram entregues. Neste ano, já são 6.244 já construídos nas residências. Outros 1.256 ainda estão em construção. Até o fim do ano, 15 mil, no total, devem ser entregues, explica Sérgio Barbosa, coordenador de Habitação da Secretaria das Cidades, órgão que está executando o projeto. A expectativa é de sejam 22 mil fogões ecológicos entregues para as famílias cearenses da zona rural. Neste ano, houve atraso na entrega por conta das fortes chuvas, que provocaram estragos nas cidades e dificultaram o acesso a algumas localidades. “Os objetivos são preservar e recuperar a caatinga, reduzir doenças cardiorrespiratórias das famílias rurais e geração de emprego e renda”, enumera o coordenador. De acordo com Sérgio Barbosa, a entrega dos fogões é feita de acordo com os pedidos dos municípios à Secretaria e à Casa Civil, que são, então, analisados. “O fogão ecológica usa muito pouca lenha e as pessoas gostam muito. É uma aceitação incrível”, descreve Sérgio. Ele cita que, antes de os fogões serem construídos nas residências, técnicos do Ider fazem uma reunião se sensibilização, em que mostram as melhorias para a população e treinam a comunidade. Cada fogão, já montado, sai por R$ 328,05. Um valor baixo, segundo Sérgio Barbosa. “É um fogão para o resto da vida”, acrescenta. (Colaborou Amaury Alencar) - Fonte: O Povo - Reportagem de Daniela Nogueira. sobre o Instituto de Desenvolvimento Sustentável & Energias Renováveis (Ider) no site: www.ider.org.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)