Projeto leva água ao sertão



Em Pernambuco, um engenheiro construiu barragens no leito dos riachos que formam cisternas naturais depois do período de chuvas. A ideia devolve o verde para uma região castigada pela seca.

Comentários

  1. Legal a idéia, mas acho que a reportagem foi lançada com a intenção de minimizar a importância da obra de transposição do Rio São Francisco, pois a oposição pretendo mostrar que existem outras formas de resolver os "problemas da seca". Também acho que é válido levantar um tópico atual falando sobre a obra de transposição. Tanto nos benefícios quando no prejuízo ambiental. A mídia só está divulgando fofocas políticas, usando como plano, a obra. Acho válido aproveitar o momento para discutir o assunto.
    Quero saber também se você está planejando alguma viagem para o sertão. Gostaria de ir para fazer umas fotos e tenho uma idéia de uma reportagem bem interessante para desenvolver por lá.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Oi João,obrigado pelo seu comentário. Tive a oportunidade de conhecer a Estação Base Zero (BZ)em 2005, acompanhando os colegas do Fórum de Defesa da Bacia do S.Francisco em PE. Pelas minhas anotações na época, esta área é a noção com a qual o engenheiro mecânico José Artur Padilha combate a erosão dos solos, o esgotamento dos recursos hídricos, a perda da biodiversidade, entre outros impactos ambientais. Trata-se de um esquema que visa a gestão ótima dos recursos hídricos de uma microbacia, cujo princípio básico é promover o aproveitamento máximo do conjunto das águas das chuvas, associadas a todos os demais fenômenos físicos, químicos e biológicos que desencadeiam durante a precipitação, escoamento e evapotranspiração em favor de cada sistema produtivo definido por microbacia hidrográfica, ao longo de um ou de vários anos.
    Essa noção vem sendo desenvolvida por Padilha, em Afogados da Ingazeira, PE, na Fazenda Caroá, de 650ha, dos quais 450 numa mesma microbacia hidrográfica. A inovação básica surgiu em 1989, quando depois de muitos anos de insucesso, o engenheiro descobriu que seus barramentos precisavam ser construídos em forma de arcos romanos deitados. Quatro anos depois, percebeu que seria melhor construi-los, exclusivamente, com pedras secas (sem utilização de argamassas aglomerantes) dispostas de modo inteligente, formando o corpo das obras, e dispensando a escavação para fundações estruturais. Vale a pena conhecer este trabalho. Me parece que está dentro do Programa de Revitalização do Rio São Francisco, e quem sabe poderá ser replicado para outras áreas do semi-árido. No momento não tenho viagem programada, mas gostaria de conversar contigo sobre a idéia para uma reportagem.
    Um abraço!
    Marcelo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Alô amigos(as)caatingueiros(as). Neste espaço deixem seus comentários sobre as notícias e sobre o BLOG.

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)