Agora vamos ouvir o Aldo Rebelo comentar o novo Código Florestal.


Da Redação

brasil@eband.com.br


O relator do novo Código Florestal na Câmara dos Deputados, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), rebateu diversos pontos que vêm sendo mal interpretados pela imprensa em relação ao projeto de lei.
Entrevistado no programa Canal Livre, da Band, o deputado disse que foi feito um imenso esfoço para se fazer uma legislação que protege o meio ambiente como nenhum outro país do mundo, mas que resguarda também um patrimônio importante da nação brasileira, que é a produção de alimentos.
Ele alertou que os ambientalistas não querem responder a pergunta de como alimentar 200 milhões de consumidores no Brasil: “O quilo do arroz, do frango, do feijão não faz muita diferença para a classe média alta; na receita do pobre, a mulher diz quanto foi o quilo de cada alimento”.

Lobby internacional

Rebelo esclarece que não existe a previsão de reserva legal em nenhum país europeu, nem nos Estados Unidos. “Não existe APP [Área de Proteção Permanente] no país do Greenpeace, a Holanda. Qualquer cidadão pode ver a calha dos rios holandeses e verá que a mata ciliar dos rios é de beterraba, de uva, de couve-flor – tudo menos floresta. É tudo cultivado”.
Esses países são os grandes financiadores das ONGs ambientalistas, segundo o deputado. “Usando o pretexto de defender a Amazônia, que é uma causa nobre, humana e de todos os brasileiros, esse grupo lobista, como a WWF ou o Greenpeace, que não goza de muito prestígio na Europa, é tratado quase como se fossem instituições do Estado aqui no Brasil”, defende.
O que existe, para o relator da lei, não é um problema ambiental, mas uma guerra comercial envolvendo a proteção da agricultura dos países europeus e dos Estados Unidos. “É importante nossa imagem perante o mundo, mas é importante que o Brasil seja capaz de alimentar seu povo”, podendo se transformar na maior potência alimentar do mundo, mantendo uma “legislação ambiental avançada; a mais rigorosa do mundo”.

Tramitação do projeto

Rebelo acredita que o Senado irá reproduzir o projeto aprovado na Câmara, “porque são os mesmos partidos, a mesma relação de forças. A Câmara aprovou com encaminhamento favorável de todos os grandes partidos da base do governo, da oposição, inclusive do líder do governo”.
“O que demonstra esta votação? Demonstra que há 410 ruralistas na Câmara dos Deputados? Não. Demonstra que o agricultor aceitou a mediação da maioria, curvou-se a uma proposta intermediária entre o meio ambiente e a proteção da agricultura”, concluiu o deputado.
Quanto ao suposto veto anunciado pela imprensa de que a presidente Dilma faria em alguns pontos do projeto, Rebelo rebateu: “Não vai ter veto, porque não há alternativa. Nunca vi a presidente falar em veto. Ela tem interesse em resolver a questão; tem receio muito menos do projeto e muito mais da propaganda dessas ONGs no exterior, do efeito disso no Rio +20 Conferência das Nações Unidas em Desenvolvimento Sustentável. Há esses receios por parte dela, mas muito mais por falta de informação”.
Clique para assistir as partes finais da entrevista no CANAL LIVRE.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)