Estado de Pernambuco vai investir R$ 14,1 milhões em unidades de conservação.


No Estado, há 66 unidades de conservação estaduais. Em 36 meses, todos os
documentos das 66 unidades do bioma Mata Atlântica e de 5 do bioma Caatinga, devem estar concluídos.



O governador Eduardo Campos assinou na tarde desta quarta-feira (8), decreto que cria o Comitê Executivo de Gestão do Programa de Implantação das Unidades de Conservação do Estado de Pernambuco, com um investimento de R$ 14,1 milhões. Os recursos do programa vão custear o diagnóstico, zoneamento, plano de manejo e criação de um conselho gestor que vai gerir e monitorar a implantação das unidades. A perspectiva é contratar de imediato 20 técnicos, em caráter de seleção temporária. Em 36 meses, todos os documentos das 66 unidades do bioma Mata Atlântica e de 5 do bioma Caatinga, devem estar concluídos.
No Estado, há 66 unidades de conservação estaduais. Dessas, 35 são unidades de uso sustentável (18 Áreas de Proteção Ambiental (APA); 9, Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN); 8, Reservas de Floresta Urbana (FURB). Outras 31 unidades são de proteção integral. Todas as unidades de conservação estaduais estão localizadas em áreas de Mata Atlântica.
Com o Programa, a proposta é implantar as 66 unidades de conservação estaduais e, inicialmente, pelo menos mais cinco unidades de conservação na caatinga. Estudos técnicos realizados pela Semas e um grupo de trabalho formado por parceiros do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade, Ministério do Meio Ambiente e Comitê da Caatinga identificaram 13 áreas potenciais de preservação deste bioma, o que elevará de 0,7% para aproximadamente 4% a área de caatinga preservada em Pernambuco.
Leia também: Comitê executivo de conservação da natureza inicia trabalhos







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)