Arara-Azul-de-Lear em pauta


De hoje até a próxima sexta-feira, em Salvador (BA), será realizada uma reunião de monitoria e de revisão do Plano de Ação Nacional (PAN) para a Conservação da Arara-Azul-de-Lear. Trata-se da continuidade ao Plano de Ação elaborado em 2006. A intenção é avaliar se as metas estabelecidas no PAN estão sendo cumpridas.
Esse processo é feito por meio da Coordenação de Plano de Ação Nacional (COPAN) do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e do Centro Nacional de Pesquisa para Conservação das Aves Silvestres (CEMAVE) do Instituto. Participam do encontro todos os atores envolvidos na conservação da Arara-Azul-de-Lear. A previsão é de que até 2014 sejam elaborados planos de ação para todas as espécies ameaçadas que ocorrem no Brasil.
A Arara-Azul-de-Lear (Anodorhynchus leari) é uma espécie criticamente ameaçada de extinção e endêmica do bioma Caatinga. A estimativa populacional atual é de apenas 600 aves na natureza e 40 conhecidas em cativeiro. Entre as principais ameaças à espécie estão a perda de habitat e a captura para o comércio ilegal. A área inicial de distribuição foi delimitada como tendo um raio de 8000 km2, sendo o Rio Vaza-Barris o principal marco referencial. A maior parte da população é encontrada nos municípios baianos de Canudos e Jeremoabo.
O principal item de alimentação é o coco da palmeira licuri (Syagrus coronata). Essa arara alimenta-se na própria palmeira, cortando parte do cacho (e voando com ele no bico) ou se alimentando no chão.
(Fonte: EPTV.com)







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)