Novas espécies de anfíbios são encontradas na caatinga em Pernambuco

Pererecas e Rãs - Foto: Bico do Corvo

Duas pererecas e duas rãs foram descobertas em Orocó e Petrolândia, no Sertão, em levantamento feito por bioólogo da Universidade Federal de Pernambuco em áreas que deveriam ser preservadas. Quatro espécies de anfíbios nunca antes registradas em Pernambuco foram encontradas na caatinga. A pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), foi realizada em reservas legais, área correspondente a 20% das propriedades rurais que, por lei, devem ser preservadas.
Segundo o autor do estudo, há registros de 50 espécies na caatinga de anfíbios anuros, aqueles que não têm cauda. "Trata-se do bioma brasileiro menos amostrado e o com o menor número de localidades estudadas, sobretudo no âmbito do Estado de Pernambuco", afirma o biólogo Arnaldo Magalhães.
Além de registrar as espécies de anfíbios anuros nas duas localidades, o pesquisador analisou a atividade vocal das rãs e pererecas. Os dados foram obtidos entre janeiro de 2006 e 2007, em seis expedições com duração de dez dias cada. Ele observou os animais no seu habitat e também usou armadilhas para capturá-los.
Ao todo, o levantamento revelou a presença de 33 espécies nas duas localidades. Os bichos pertencem a 14 gêneros, distribuídos em sete famílias. O gênero corresponde ao primeiro termo de um nome científico. "Todas foram registradas em Orocó, mas apenas 24 em Petrolândia", destaca Armando. Na opinião dele o fato de Orocó registrar mais espécies que Petrolândia está relacionado a diferenças no solo e vegetação.
O trabalho faz parte da dissertação de mestrado de Magalhães em biologia animal, sob orientação do professor da UFPE e UFRPE Severino Mendes Júnior, defendida este ano.
(Fonte: Jornal do Commercio - Ciência e Meio Ambiente - 11.06.2009)

Comentários

Postar um comentário

Alô amigos(as)caatingueiros(as). Neste espaço deixem seus comentários sobre as notícias e sobre o BLOG.

Postagens mais visitadas deste blog

O risco da caatinga virar um deserto"A vegetação típica do Nordeste está literalmente sumindo do mapa

Rio São Francisco - A extinção da caatinga (ESTUDO)